Cinema com Piano

Estamos no mês de julho! E por aqui está um friozinho gostoso pra ficar debaixo do cobertor assistindo a um bom filme! 🙂

E nada melhor que um bom filme acompanhado com um excelente piano como trilha sonora! Pois é, hoje o nosso post será sobre três filmes baseados em livros com o meu instrumento, o piano, ao fundo.

Vamos lá conferir?

Vamos começar com dois filmes baseados nos livros de Jane Austen, uma das escritoras inglesas mais famosas. Filha de um pastor anglicano, toda a sua vida transcorreu no seio de um pequeno grupo social, formado pela aristocracia rural inglesa. Sua obra literária deu ao romance inglês o primeiro impulso para a modernidade, ao tratar do cotidiano de pessoas comuns com aguda percepção psicológica e um estilo de uma ironia sutil, dissimulada pela leveza da narrativa.

Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice)

“É verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro em posse de boa fortuna deve estar necessitado de esposa.”

É com essas palavras que Jane Austen inicia Orgulho e preconceito, conduzindo o leitor diretamente ao lar dos Bennet, família com não menos que cinco noivas em potencial: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia. Quando o Sr. Bingley e o Sr. Darcy, dois jovens distintos, chegam a Hertfordshire, todas ficam em alerta: eles são solteiros, bonitos e, claro, donos de uma boa fortuna. O que poderia ser uma típica história de amor é, nas mãos de uma das escritoras de língua inglesa mais difundidas pelo mundo, um espetáculo de grandes personagens e diálogos sagazes, com um timing perfeito para a ironia.

Esse filme é uma produção britânica de 2005, dirigido por Joe Wright e com adaptação de roteiro de Deborah Moggach. Keira Knightley interpreta a protagonista Elizabeth Bennet enquanto Matthew Macfadyen interpreta o seu par romântico Sr. Darcy. É uma das versões cinematográficas fiéis ao livro. Orgulho e preconceito tem um roteiro inteligente e emocionante, a produção e o figurino são impecáveis, assim como a fotografia. Mas, o que também atraiu essa pianista aqui foi a trilha sonora!

A trilha sonora de Orgulho e Preconceito foi composta por Dario Marianelli, italiano nascido em Pisa em 1963, que estudou piano e composição em Florença e Londres. Essa trilha é simplesmente impecável com um arranjo maravilhoso! Todas as melodias da trilha foram compostas para piano. Esse instrumento que acompanhou os tempos de Jane Austen. Um tempo onde uma mulher para ser realmente considerada completa deveria conhecer bem a música, deveria saber cantar, desenhar, dançar e falar as línguas modernas. Então, o piano era um instrumento que deveria ser aprendido para ser tocado muito bem!

“Mrs. Reynolds, então, chamou a atenção dos visitantes para um retrato de Miss Darcy pintado quando ela tinha apenas oito anos de idade.
E Miss Darcy também é bonita? – perguntou Mr. Gardiner.
Oh, sim, é a menina mais bonita que eu jamais vi. É tão instruída! Toca piano e canta o dia inteiro. Na sala ao lado, há um novo instrumento que acaba de chegar para ela. Um presente do meu patrão.” (pág. 217)

MM_17
Razão e Sensibilidade (Sense and Sensibility)

A história se estrutura em torno das irmãs Dashwood, Elinor e Marianne, que na Inglaterra dos últimos anos do século XVIII, ficam desamparadas com a morte do pai, cujas propriedades são deixadas como herança para um filho do primeiro casamento, obedecendo-se às leis inglesas. Bonitas, inteligentes e sensíveis, as irmãs Elinor e Marianne, sua mãe e sua irmã menor, Margareth, mudam-se para um chalé oferecido por um parente distante. Sem dotes a serem oferecidos para seus casamentos, Elinor, o arquétipo austeano da razão, e Marianne, o da sensibilidade, têm pouca oportunidades de conseguir um bom casamento, mas a grandeza de seus sentimentos – a sinceridade e a fidelidade do coração de ambas – se revela importante contra a hipocrisia de uma sociedade preocupada com os bens materiais.

Esse filme é uma produção anglo-americana de 1995, dirigido por Ang Lee e com roteiro escrito pela atriz Emma Thompson. Kate Winslet e Emma Thompson são as irmãs Marianne e Elinor. O filme tem uma qualidade excelente, tanto figurino, como locações, cenários e sobretudo o roteiro, que soube ser fiel aos diálogos escritos por Jane Austen, sem perder o sentido da história com as alterações que foram feitas.

A trilha sonora de Razão e Sensibilidade foi composta por Patrick Doyle, escocês nascido em Uddingston em 1953, compositor de várias trilhas sonoras para filmes. Essa trilha é solene e reforça o tom épico do longa. Mas o que mais me atrai é a personagem Marianne. Jane Austen nos mostra uma heroína talentosa com a música. Marianne era excelente pianista, cujas interpretações eram admiradas por todos. O piano, era para ela um companheiro tanto nos momentos de desapontamento em que passou com Willoughby quanto da espera madura pelo Coronel Brandon.

“… Marianne tocou ao piano todas as músicas preferidas que costumava tocar para Willoughby, cantou todas as árias em que suas vozes soavam perfeita e alegremente unidas…” (pág. 48)

MM_18
Vamos terminar nosso Cinema com Piano com um dos contos de fadas mais populares do mundo: Cinderela. Sua origem tem diferentes versões. A versão mais conhecida é a do escritor francês Charles Perrault baseada num conto italiano popular chamado La gatta cenerentola (A gata borralheira). Ao longo das décadas, centenas de filmes foram feitos, adaptações diretas de Cinderela ou enredos vagamente baseado na história.

Uma Cinderela em Roma (Cenerentola)

Uma adaptação do conto aos anos modernos em Roma. A história continua sendo a mesma, mas agora a Aurora é filha de um pianista e como seus pais herda a paixão pelo instrumento. Quando seu pai morre, ela é deixada sob os cuidados da madrasta, junto às duas irmãs, que transformam sua casa em um hotel/pousada, a deixando como empregada. Agora vocês entenderam porque eu amei essa versão!?

Esse filme é uma produção italiana de 2011, dirigido por Christian Duguay e com adaptação de roteiro de Agatha Dominik. Aurora é interpretada por Vanessa Hessler e Sebastian, seu par romântico, por Flavio Parenti. O filme é excelente e tendo a bela Roma como cenário… fantástico! A trilha sonora é belíssima, principalmente “Per Aurora”, composta pelo maestro Andrea Guerra. No filme, essa peça foi composta para Aurora pelo seu pai.
MM_19
É isso aí… espero que tenham gostado! Que esses filmes façam vocês se apaixonarem pelo som do PIANO! ❤

Anúncios

3 comentários sobre “Cinema com Piano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s